EMA ativa seu desconfiômetro sobre vacinas Johnson & Johnson (J&J) e AstraZeneca | TVARACAJU.com 100% Internet

Novas armadilhas para a campanha europeia de vacinação A campanha de vacinação anticovide na Europa, já hesitante, enfrentou novas perguntas na sexta-feira sobre os efeitos colaterais potencialmente associados aos soros da Johnson & Johnson (J&J) e Ast...

corona, covid, contagioso, vacina, seringas, saúde, ar, máscara, oms, alertas

EMA ativa seu desconfiômetro sobre vacinas Johnson & Johnson (J&J) e AstraZeneca

Publicado por: admin
10/04/2021 06:13 PM
Courtesy Pixaby
Courtesy Pixaby

Novas armadilhas para a campanha europeia de vacinação


A campanha de vacinação anticovide na Europa, já hesitante, enfrentou novas perguntas na sexta-feira sobre os efeitos colaterais potencialmente associados aos soros da Johnson & Johnson (J&J) e AstraZeneca, aos quais a França planeja restringir ainda mais o uso.

 

A Agência Europeia de Medicamentos (EMA) anunciou que vai examinar uma possível ligação entre a vacina da J&J e casos de coágulos sanguíneos, e expandir sua investigação para a AstraZeneca, já implicada para o mesmo tipo de sintomas, a problemas vasculares.

 

Na quarta-feira, a EMA havia reconhecido que os coágulos sanguíneos deveriam ser listados como um efeito colateral, "muito raro", mas grave, da vacina AstraZeneca, principalmente em indivíduos jovens. Ela disse na sexta-feira que havia lançado um estudo sobre outra vacina, a da gigante americana Johnson & Johnson, para efeitos colaterais semelhantes, após a notificação de quatro casos, incluindo um fatal. A UE liberou esta vacina, mas ainda não começou a usá-la.

 

Além disso, a EMA também investiga possíveis ligações entre a AstraZeneca e problemas vasculares: anunciou sexta-feira que vai examinar cinco casos de síndrome de vazamento capilar, "caracterizada pelo vazamento de fluido dos vasos sanguíneos, causando inchaço do tecido e queda de sangue pressão ".

 

Por seu lado, o seu homólogo americano, o FDA, anunciou na sexta-feira que não tinha estabelecido uma "ligação causal" nesta fase entre a formação de coágulos sanguíneos e a injecção da vacina J&J. “Manteremos o público informado quando aprendermos mais”, disse ela.

 

A Johnson & Johnson já havia argumentado que incidentes tromboembólicos haviam sido relatados "com todas as vacinas Covid-19". "Nosso rastreamento preciso dos efeitos colaterais mostrou um pequeno número de incidentes muito raros após a vacinação", acrescentou a empresa farmacêutica, observando que "nenhuma relação clara de causa e efeito" foi estabelecida com a vacina Janssen - a da subsidiária europeia do grupo. As duas vacinas, Johnson & Johnson como AstraZeneca, usam a mesma tecnologia usando um adenovírus como vetor.

 

Desconfiança
No prazo imediato, a desconfiança na vacina AstraZeneca levou muitos países a estabelecer limites de idade para seu uso, ou mesmo a suspender seu uso. Por exemplo, está reservado para mais de 30 anos no Reino Unido, onde tem sido amplamente utilizado, mais de 65 anos na Suécia e mais de 60 nas Filipinas, Portugal, Holanda ou Alemanha, que agora está considerando comprar o polêmico Sputnik V de Rússia.

 

A região espanhola de Castela e Leão e a Dinamarca interromperam completamente o uso do AstraZeneca. E Hong Kong suspendeu sexta-feira, para "evitar qualquer desperdício", seu pedido da AstraZeneca, temendo efeitos colaterais e sua ineficácia contra novas variantes do coronavírus.

 

Na sexta-feira, antes dos anúncios da EMA, as autoridades de saúde francesas indicaram que as 533.000 pessoas com menos de 55 anos já vacinadas com uma primeira dose de AstraZeneca receberiam uma vacina de RNA mensageiro diferente para a 2ª dose, a da Pfizer / BioNTech ou o da Moderna.

 

O ritmo das vacinações é crucial para a França, que enfrenta uma terceira onda epidêmica que causa um forte aumento nas hospitalizações e custa a vida de mais de 300 pessoas por dia. A nova regra foi considerada "completamente lógica" pelo ministro da Saúde da França, Olivier Véran. Mas logo em seguida, a Organização Mundial da Saúde (OMS) repetiu que não poderia recomendar uma mudança na vacina anti-Covid entre as duas doses, por falta de "dados adequados" nesta fase.

 

A eficácia das vacinas também permanece incerta em face das variantes do coronavírus. Ansiosa por antecipar este problema, a UE iniciará negociações para encomendar 1,8 bilhões de doses adicionais das chamadas vacinas de “2ª geração” contra a Covid-19, com um cronograma de entrega vinculativo, disse à AFP uma fonte da Comissão Europeia.

 

A antecipação parece tanto mais necessária quanto a AstraZeneca, já no centro das polêmicas com a UE sobre os atrasos nas entregas, por exemplo, indicou na sexta-feira que estaria atrasada em metade das entregas de vacinas programadas para esta semana na União Europeia.

 

Em contraste com os problemas da AstraZeneca, a aliança Pfizer / BioNTech deu um novo passo ao protocolar nos Estados Unidos na sexta-feira um pedido de autorização de sua vacina para adolescentes de 12 a 15 anos.

 

Apertar a lei anti-Covid
Na Alemanha, o governo endurecerá a legislação sobre pandemia na próxima semana, para que possa impor restrições a todo o país. Essa reforma permitirá que as resistências locais sejam superadas, se necessário. “O objetivo é criar regras nacionais uniformes”, explicou a porta-voz da chancelaria, Ulrike Demmer.

 

No Canadá, o primeiro-ministro Justin Trudeau chamou a progressão da terceira onda de "preocupante" e pediu "medidas mais duras" em várias partes do país.

 

Na Noruega, a primeira-ministra Erna Solberg foi multada em 20.000 coroas (cerca de 2.200 suíços) por quebrar as regras anti-Covid: ela organizou uma refeição com 13 convidados em vez de 10 permitidos para seu 60º aniversário ... à qual ela mesma não compareceu, tendo ido para o hospital para problemas de visão.

 

Escassez na Índia
A pandemia já infectou mais de 133.908.150 pessoas e matou pelo menos 2.903.907 pessoas em todo o mundo desde o final de 2019, de acordo com uma contagem da AFP na sexta-feira.

 

No Brasil, cujos hospitais estão em situação "crítica" diante do fluxo de pacientes, o Supremo Tribunal Federal ordenou ao Senado que instituísse uma comissão de inquérito para avaliar a gestão da pandemia pelo governo do presidente negacionista de extrema direita  Jair Bolsonaro.

 

Na Índia, os hospitais do estado de Maharashtra, o mais afetado pela segunda onda, pararam de vacinar na sexta-feira por falta de doses, quando o país registrou um recorde de contaminações (+ 132 mil em 24 horas). Também vai impor um bloqueio de fim de semana e um toque de recolher noturno para seus 110 milhões de habitantes.

 

AFP
Originalmente Produzido e Publicado Por : TDG 

 

Imagens de notícias

Tags:

Compartilhar

Vídeos relacionados